Calvície: Entenda como Acontece!

dicas-para-evitar-a-calvice

A calvície é um problema que afeta especialmente os homens, pois a testosterona, hormônio sexual masculino, é a maior responsável pela queda do cabelo. Embora as mulheres também a produzam, nelas a quantidade é muito menor.

 

A raiz do cabelo, ou bulbo capilar, localiza-se num meio bioquímico nutritivo para que as células se multipliquem e formem uma haste que vai aumentando de tamanho. Essas células vão se renovando de baixo para cima e morrem na ponta do fio. Os cabelos, depois de certo tempo, caem e são substituídos por outros, num processo de renovação permanente. Nos casos de calvície, porém, há uma atrofia dos bulbos capilares e não crescem novos fios.

 

FISIOLOGIA DO CABELO

O cabelo tem um período de crescimento chamado de fase de anagênese que dura mais ou menos um mês e varia de indivíduo para indivíduo de acordo com suas características genéticas e etnia. Depois, entra num período de estase e, a seguir, num período de involução bastante rápido conhecido por catálise em que o pelo acaba se soltando e caindo. A duração de um fio de cabelo, do nascimento até a queda, é ao redor de um ano e meio ou dois anos.

Renovamos os fios várias vezes. O interessante é que, quando jovens, perdemos em torno de 100 a 150 fios por dia, o que confunde muita gente, porque os livros dizem que isso é normal. Então, as pessoas com queda de cabelo se põem a contar os fios que caem e acreditam estar na faixa de normalidade, o que nem sempre é verdade.
Por outro lado, com o passar dos anos, o número de cabelos tende a diminuir. Mesmo os mais cabeludos confessam que, na juventude, tinham cabeleira muito mais farta.

 

crescimento do pêlo

 

FAIXA ETÁRIA PERIGOSA

Dezessete anos é a idade mais perigosa para a calvície começar a instalar-se definitivamente. Essas pessoas, por razões genéticas e hormonais, aos 22-23 anos já estão carecas. Aquelas que vão perdendo os cabelos mais devagar a partir dos 25-26 anos podem contar com melhores resultados no tratamento, porque nelas a participação da hereditariedade é menor.

A genética pode manifestar-se sob dois diferentes aspectos: um, em que o gene provoca a queda permanente do cabelo e outro, em que o gene produz excesso de oleosidade, causa da dermatite seborreica que também derruba os cabelos, embora eles caiam em menor quantidade e mais lentamente.

Os hormônios androgenéticos, isto é, os hormônios masculinos, entre eles a testosterona, agem não só diminuindo a produção dos pelos e inibindo a proliferação das células formadoras da haste capilar, mas também na glândula sebácea anexa ao pelo, aumentando a oleosidade. Por isso, quase 90% dos carecas têm pele e couro cabeludo oleosos. Em geral, eles perdem os cabelos mais tardiamente, por volta dos 25 anos, e devem tratar a dermatite para controlar a queda.

 

pelo

 

TIPOS DE CALVÍCIE

A velocidade da perda é diferente num e noutro caso. Alguns progridem para a calvície tão rapidamente que nem percebem por onde ela começou. Na verdade, o cabelo sempre começa a cair pelas entradas, porque isso é genético. Se você comparar pais e filhos homens, é claro, verá que as entradas são muito semelhantes e que a queda evolui atingindo o vértice do couro cabeludo e formando a carequinha de padre. Daí em diante, a rarefação se espalha e a calvície toma conta de toda a parte superior da cabeça, sobrando apenas o cabelo das áreas laterais.

Isso acontece porque os fatores genéticos para a calvície não atuam nas áreas laterais da cabeça. Baseando-se nessa característica, os cirurgiões plásticos e dermatológicos fazem a cirurgia de implante. Retiram da parte posterior da cabeça faixas de cabelo, cortam os cabelos de modo a retirar-lhes os folículos pilosos e os implantam na área rarefeita do couro cabeludo. Esses cabelos, normalmente, não caem mais.

 

TRATAMENTO DA CALVÍCIE

Você disse que algumas pessoas nascem com uma carga genética que favorece a queda dos cabelos numa idade muito precoce. Noutras,a o processo caminha mais devagar. Se a impressão genética é forte no sentido de favorecer uma queda precoce, as medicações existentes no mercado devem ser tomadas por longos períodos com pequenos intervalos entre eles, porque parou, o cabelo torna a cair. Mesmo os que têm queda menos intensa, devem tomar a medicação por muito tempo. No entanto, as doses podem ser menores e os intervalos de descanso maiores. Quando o peso da carga genética é alto, geralmente se consegue retardar o processo, mas não se consegue obter a cura total.

O medicamento mais conhecido é o Minoxidil, um vasodilatador de uso local com ação sobre os receptores androgênicos do pelo, ou seja, que ajuda a bloquear os derivados da testosterona. Se a queda for acentuada, pode-se prescrever a versão mais concentrada, já que existem dois tipos de preparação: um mais concentrado e outro menos.

É preciso tomar cuidado, porque nem tudo o que apresenta bons resultados para os homens pode ser indicado para as mulheres, uma vez que nelas os efeitos colaterais podem ser desagradáveis. Depois de passar o remédio no couro cabeludo, algumas desenvolveram barba na face e pelos nos braços, pernas, etc.

 

Este post foi útil? Então compartilhe e ajude a divulgar 🙂
Beijos.

 

 

Fonte: drauziovarella.com.br

Tainá De Lucca
Siga-me

Tainá De Lucca

Maquiadora e Esteticista em Tainá De Lucca
Olá, me chamo Tainá e sou apaixonada por Estética & Beleza. Estou cursando o último ano de Estética e Cosmética e então resolvi criar um site para divulgar meus trabalhos e conhecimentos na área.
Tainá De Lucca
Siga-me